Buscar
  • sindvest

FEC NF reivindica melhorias na saúde municipal e adoção de critérios mais adequados para bandeiras.

Nova Friburgo 17.07.2020


Frente Empresarial e de Classe de Nova Friburgo, aponta melhorias que devem ser adotadas para aumento da capacidade do sistema de saúde e nos critérios utilizados para sistema de bandeiras.


A Frente Empresarial e de Classe de Nova Friburgo (FEC NF), compreendida pela Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Nova Friburgo (ACIANF), com a participação da Representação Regional da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Câmara dos Dirigentes Lojistas de Nova Friburgo (CDL), Sindicato do Comércio Varejista de Nova Friburgo (Sincomércio), Sindicato das Indústrias de Vestuário de Nova Friburgo e Região (SINDVEST), Associação dos lojistas do Cadima Shopping (ALCAS), Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, e de Material Elétrico de Nova Friburgo (SINDMETAL), Sindicato da Indústria da Construção Civil Centro Norte Fluminense (SINDUSCON-CN), 9ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), Nova Friburgo Convention & Visitors Bureau, Sindicato de Hóteis, Restaurantes, Bares e similares de Nova Friburgo (SHRBSNF), Conselho Comunitário de Segurança de Nova Friburgo (CONSEG) e Associação do Comércio e da Indústria de São Pedro da Serra (ACISPS), não concorda com os critérios utilizados para a implantação da Bandeira Vermelha em Nova Friburgo, e cita alguns motivos para tal posicionamento.


Um dos motivos é relacionado ao fato de que como resultado de o Hospital Serrano ter reduzido 03 leitos de UTI de sua capacidade, a taxa de ocupação nos leitos de UTI para tratamento do Covid-19 , que vem a ser o critério utilizado para o sistema de implantação de bandeiras na cidade foi impactada de forma relevante resultando na modificação da graduação da bandeira de amarela para vermelha mesmo sem sofrermos uma variação significativa no número de pacientes internados. Outra questão levantada é que mesmo o Hospital Municipal Raul Sertã, regido por um sistema de regulação estadual, poderia encaminhar pacientes para outras unidades hospitalares, distribuindo melhor a taxa de ocupação Estadual de leitos voltados para tratamento da COVID 19. Como exemplo entende-se que a cidade do Rio de Janeiro poderia absorver pacientes de cidades vizinhas ocupando a capacidade ociosa do sistema de saúde, onde inclusive já se observa a desativação de Hospitais de Campanha.


A adoção da bandeira vermelha dessa forma e nesse momento trará como resultado principal um desnecessário agravamento da crise econômica e social que vive nossa cidade, com consequências perversas para toda nossa sociedade. Essa grave situação poderia ser evitada, não fosse a utilização de métodos tão restritivos e inadequados.


Segundo o consultor da FEC NF, Rafael Spinelli, “O primeiro ponto a ser observado é que o status atual dos indicadores principais do risco epidemiológico ainda não refletem o impacto da retomada das atividades comerciais iniciada em 3 de julho, devido ao período típico de 14 dias de incubação da doença apenas ter vencido nessa sexta-feira 17, enquanto a graduação da bandeira é resultado de uma média entre os dias 11 e 17 de julho. O segundo ponto, é a retirada de 03 leitos de UTI realizada pelo Hospital Serrano, que significam 10% da capacidade total do sistema hospitalar do município, abrangendo rede pública e particular, que consideramos inclusive extremamente baixa, para uma cidade com mais de 186 mil habitantes e que atende a diversos municípios de toda uma região geográfica”.


“Como um comentário complementar, considero que ter somente um parâmetro como critério para o sistema de bandeiras não reflete o estado de risco que nos encontramos. Trabalhar com uma cesta de indicadores, como por exemplo, o faz o município de Niterói, resulta numa visão mais completa e adequada do grau de gravidade da pandemia”, acrescenta Rafael.


Se olharmos o número de leitos de UTI ocupados no dia de hoje, 17 de julho, podemos observar que temos exatamente o mesmo número de 21 leitos ocupados na sexta-feira passada. Adicionalmente, a FEC NF nota que, infelizmente, algumas entidades, por interesses próprios, vêm gerando falso alarmismo e apavorando desnecessariamente a população, causando, com isso, muitos transtornos a todos. Diferentemente, a FEC NF tem buscado contribuir de forma efetiva nas ações para prevenção e controle da epidemia em nossa cidade. Assim estamos envidando esforços em diversas atuações como campanhas massivas de conscientização para medidas de higienização e prevenção, orientação às empresas para manutenção de um ambiente de trabalho seguro, conscientização para o uso de máscaras e aumento exponencial da capacidade de testagem no nosso município. Somente para quantificar esse último ponto, com uma contribuição significativa da FEC NF, Nova Friburgo teve um aumento de 81% na quantidade de testes realizados, somente na primeira quinzena do mês de julho, e com o apoio do poder público, através da Câmara Municipal e da Prefeitura seguiremos intensificando a testagem que é uma das mais importantes medidas de controle epidemiológico.


Por fim, manifestamos com repúdio que a FEC NF não considera justo e adequado termos implantada a bandeira vermelha, numa cidade que possui baixo número de óbitos por milhão de habitantes, muito inferior às cidades vizinhas de mesmo porte.

8 visualizações

© 2020 SINDVEST. Todos os direitos reservados.

f_logo_RGB-Black_58.png
glyph-logo_May2016.png
WhatsApp Logo preto.png